Alliely Corrêa, jovem integrante da Associação de Remanescente do Quilombo de Murumuru, em Santarém, falou à reportagem da série especial quilombola “Na raça e na cor” sobre racismo contra as comunidades quilombolas e sobre seu autorreconhecimento.

Segundo conta no primeiro vídeo, algumas pessoas questionam sua identidade por causa do cabelo liso e de seu tom de pele, mas isso não é uma questão de aparência. “Eu sou quilombola”, afirma.

Na segunda parte da entrevista, Alliely fala sobre a importância da luta pela titulação, auto-organização do movimento e das mulheres quilombolas, machismo, cultura quilombola e suas perspectivas para o futuro. “Nos impõem barreiras, mas somos um povo forte e vamos passar por isso”, declarou.

Assista: